terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Poesia na Biblioteca



Os alunos do 10º L vieram à biblioteca na aula de Português e, juntos, falamos do valor das palavras e da dificuldade de encontrar as melhores para exprimir o que nos vai na alma. Vários alunos leram, em voz alta, poemas de autores que constam do seu manual e partilharam as razões das suas escolhas. Pretendeu-se motivar para a poesia e a biblioteca é o local ideal para se começar a dar os primeiros passos nesse sentido.

Um poema do agrado de vários alunos foi o de Eugénio de Andrade:

         AS PALAVRAS



São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos, as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente aqui a notícia.